Fale conosco

O que vc está procurando?

CineBuzz

Premiações

10 vezes em que o cinema brasileiro brilhou no Festival de Cannes

Momentos vão do prêmio de revelação a Rodrigo Santoro, por “Carandiru”, à Palma de Ouro de “O Pagador de Promessas”

10 vezes em que o cinema brasileiro brilhou no Festival de Cannes (Divulgação/Vitrine Filmes/Columbia Filmes)
10 vezes em que o cinema brasileiro brilhou no Festival de Cannes (Divulgação/Vitrine Filmes/Columbia Filmes)

POR ANGELO CORDEIRO

Na última terça (6), começou mais uma edição do Festival de Cannes, um dos festivais de cinema mais celebrados e que terá o brasileiro Kleber Mendonça Filho (“Bacurau” e “Aquarius”) no júri presidido pelo cineasta Spike Lee.

Na atual edição, o Brasil não estará representado na Competição Oficial, no entanto, o país será representado por dois curtas que concorrerão à Palma de Ouro de curta-metragem: “Céu de Agosto”, de Jasmin Tenucci, e “Sideral”, de Carlos Segundo. Outros filmes também aparecem em mostras paralelas.

Enquanto ficamos na torcida por mais prêmios para o nosso cinema, preparamos uma lista com 10 vezes em que o nosso cinema brilhou e foi premiado em Cannes. E vários deles estão disponíveis nos streamings. Vamos conferir?

O PAGADOR DE PROMESSAS – PALMA DE OURO
(Divulgação/Embrafilme)
(Divulgação/Embrafilme)

Dirigido por Anselmo Duarte e protagonizado por Leonardo Villar, “O Pagador de Promessas” é o único filme brasileiro a ter conquistado a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1962. O filme ainda representou o Brasil no Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, em 1963, mas o premiado foi o francês “Sempre aos Domingos”.

ONDE ASSISTIR: Globoplay

BACURAU – PRÊMIO DO JÚRI
(Divulgação/Vitrine Filmes)
(Divulgação/Vitrine Filmes)

Em 2019, mesmo ano em que “Parasita” ganhou a Palma de Ouro, o cinema brasileiro foi premiado com “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, vencendo o Prêmio do Júri – como se fosse o terceiro lugar da premiação – empatado com “Os Miseráveis”, de Ladj Ly.

ONDE ASSISTIR: Telecine e Globoplay

A VIDA INVISÍVEL – PRÊMIO DA MOSTRA UN CERTAIN REGARD
(Divulgação/Vitrine Filmes)
(Divulgação/Vitrine Filmes)

Também em 2019, o Brasil brilhou em uma das mostras paralelas a Cannes com a vitória de “A Vida Invisível” do diretor Karim Aïnouz. A Un Certain Regard é a segunda principal mostra que acontece em Cannes – ficando atrás somente da competição oficial – e geralmente premia cineastas iniciantes ou menos conhecidos e produções mais independentes.

ONDE ASSISTIR: Telecine e Globoplay

CHUVA É CANTORIA NA ALDEIA DOS MORTOS – PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI NA MOSTRA UN CERTAIN REGARD
(Divulgação/Embaúba Filmes)
(Divulgação/Embaúba Filmes)

Em 2018, o filme que retrata a vida dos indígenas brasileiros krahô, dirigido por João Salaviza e Renée Nader Messora levou o Prêmio Especial do Júri na Mostra Un Certain Regard. O vencedor da Un Certain Regard naquele ano foi o sueco “Border”.

ONDE ASSISTIR: Mubi

GLAUBER ROCHA – PRÊMIO DE MELHOR DIRETOR
(Divulgação/Mapa Filmes)
(Divulgação/Mapa Filmes)

O polêmico Glauber Rocha, um dos cineastas brasileiros mais celebrados, venceu o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes, em 1969, pelo filme “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro”, seu primeiro longa em cores. O sucesso levou o filme a ser capa da revista francesa Cahiers du Cinéma, uma das mais renomadas no meio da crítica internacional.

ONDE ASSISTIR: Telecine e Globoplay

FERNANDA TORRES – PRÊMIO DE INTERPRETAÇÃO FEMININA
(Divulgação/Embrafilme)
(Divulgação/Embrafilme)

Talento é de família. Em 1986, a filha de Fernanda Montenegro venceu o Prêmio de Interpretação Feminina por sua atuação em “Eu Sei que Vou Te Amar”, longa de Arnaldo Jabor, no qual ela estrela ao lado do ator Thales Pan Chacon.

SANDRA CORVELONI- PRÊMIO DE INTERPRETAÇÃO FEMININA
(Divulgação/Universal Pictures/Paramount Pictures)
(Divulgação/Universal Pictures/Paramount Pictures)

Outra atriz também alardeada com o Prêmio de Interpretação Feminina no Festival de Cannes foi Sandra Corveloni, em 2008, por sua atuação em “Linha de Passe”. Após sua exibição, o filme que concorria à Palma de Ouro foi aplaudido por 9 minutos. A Palma foi dada ao filme francês “Entre os Muros da Escola”.

ONDE ASSISTIR: Para aluguel no Google Play

RODRIGO SANTORO – PRÊMIO DE REVELAÇÃO
(Divulgação/Columbia Filmes)
(Divulgação/Columbia Filmes)

O talento de Rodrigo Santoro é inegável, não à toa, o Festival de Cannes reconheceu isso. Em 2004, o ator venceu o Prêmio de Revelação por sua atuação em “Carandiru”, de Hector Babenco. O filme também concorria à Palma de Ouro, mas perdeu para “Fahrenheit 11 de Setembro”, de Michael Moore.

ONDE ASSISTIR: Telecine e Globoplay

PRÊMIOS DA CRÍTICA

Além do júri principal de Cannes que entrega a Palma de Ouro, o Grand Prix, o Prêmio do Júri e os prêmios de direção, roteiro e interpretação, a crítica internacional (FIPRESCI: Federação Internacional de Críticos de Cinema) também elege um filme do festival que mais lhe chamou a atenção.

Em duas ocasiões o Brasil foi reconhecido pelos críticos: A primeira em 1967, por “Terra em Transe”, de Glauber Rocha, e a segunda em 1984, com o longa “Memórias do Cárcere”, de Nelson Pereira dos Santos.

ONDE ASSISTIR: “Terra em Transe” está disponível no Telecine e na Globoplay. “Memórias do Cárcere” está disponível na Globoplay.